23 de setembro de 2021

Durante a manhã de 23 de Setembro de 2021, teve lugar o dia de formação e comunicação sobre as boas práticas do projecto FIREPOCTEP, organizado pela Fundação Finnova, como uma das entidades beneficiárias do projecto e no âmbito da Semana Europeia da Energia Sustentável. Realizada pessoalmente na Sala de Grados da Biblioteca do Campus de Rabanales da Universidade de Córdoba e transmitida via streaming, a sessão centrou-se no reforço dos sistemas transfronteiriços de prevenção e extinção de incêndios florestais e na melhoria dos recursos para a geração de emprego rural na fase pós-Covid-19. 

O projeto FIREPOCTEP, aprovado no âmbito do programa de Cooperação Transfronteiriça Interreg VA Espanha-Portugal 2014-2020 (POCTEP), nasceu da cooperação de 21 entidades públicas e privadas, com os objetivos, entre outros, de minimizar os riscos e consequências dos grandes incêndios florestais que devastam o território de fronteira popularmente conhecido como La Raya em frequência crescente. Através da identificação de “Zonas de Gestão Estratégica” e da gestão agro-silvipastoril da paisagem, e sempre com a cooperação e trabalho conjunto entre portugueses e espanhóis, pretende-se reduzir o impacto destes incêndios num cenário de alterações climáticas.

Outra questão particularmente relevante no território de cooperação transfronteiriça coberto pelo projeto FIREPOCTEP é a escassez de empregos nas áreas rurais, acentuada após a crise gerada pela pandemia COVID-19. Todas essas questões foram os eixos do dia, que foi mediado por Juan Manuel Revuelta Pérez, CEO da Fundação Finnova.

As boas-vindas foram dadas pela Inmaculada Vázquez, coordenadora geral do projeto e representante da Agência de Meio Ambiente e Águas (AMAYA) da Junta de Andaluzia (Beneficiária Principal de FIREPOCTEP). Inmaculada Vázquez apresentou o FIREPOCTEP extensivamente, um projecto de âmbito multirregional aprovado no quarto concurso do programa Interreg POCTEP e cuja financiação ascende a 5,6 milhões de euros do fundo FEDER. FIREPOCTEP, que foi aprovado no início deste ano, tem até dezembro de 2022 para desenvolver as suas 6 atividades em consonância com o Objetivo Temático n.º 5 do POCTEP (Promover a adaptação às alterações climáticas em todos os setores).

O bloco inaugural também contou com a presença de Ignacio Rubio Romero, coordenador da unidade responsável pelo Ponto de Contato Nacional do Programa LIFE do Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico e Julio E. Abalde Alonso, Reitor da Universidade da Corunha.

Ignacio Rubio contribuiu com os seus conhecimentos sobre o programa LIFE e o seu novo período de programação 2021-2027, que inclui alterações substanciais em comparação com o período anterior. Uma dessas novidades é que está dividido em duas áreas, uma dedicada ao Meio Ambiente e outra intitulada “Ação Climática”, que, por sua vez, estão divididas em dois subprogramas. Além disso, destacou que, desde o lançamento do programa LIFE (1992), a Espanha beneficiou de mais de 900 projetos, adquirindo um papel de destaque na absorção destes fundos.

Por sua vez, Julio E. Abalde apresentou o interessante projeto “Cidade das TICs” em Corunha, um projeto emblemático que propõe transformar uma antiga fábrica de armas em um campus de inovação digital focado nas TICs e no empreendedorismo. Este espaço, que incluirá áreas verdes comuns, ambiciona ser uma referência em sustentabilidade, já que pretende implantar sistemas de redução do consumo de energia, bem como o cuidado com o meio ambiente em que este complexo está inserido.

Este primeiro bloco foi encerrado com a intervenção de Jordi Bentanachs, presidente da Associação Europeia de Indústria, Tecnologia e Inovação (AEITI), que fez um grande apelo a favor das energias renováveis ​​como principal solução para as alterações climáticas e as suas consequências encontradas em incêndios florestais. Desde a sua associação, a busca por soluções tecnológicas inovadoras no setor de energia é promovida e a erradicação dos combustíveis fósseis é ativamente defendida.

O maior parte do evento desenvolveu-se sob o título “Formação-comunicação: Financiamento europeu para soluções inovadoras na gestão de resíduos vegetais, prevenção e extinção de incêndios florestais”, com especial destaque para as novas oportunidades oferecidas pela Call for the LIFE program para o período de 2021-2027.

Francisco Rodríguez y Silva, diretor do Laboratório de Incêndios Florestais (LABIFUCO) do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade de Córdoba (entidade beneficiária FIREPOCTEP) direto da Sala de Pós-Graduação, apresentou as ferramentas que o seu departamento está a desenvolver. Essas ferramentas ,que nasceram no âmbito do projeto Interreg CILIFO e agora convergem com o FIREPOCTEP, procuram dotar as operações de combate a incêndios com aplicações que lhes proporcionem informação em tempo real sobre a humidade ou o território para controlar a evolução do incêndio e facilitar os trabalhos de extinção do mesmo.

Em seguida, Eduardo Collantes Sánchez, chefe do Serviço de Emprego da Câmara de Comércio de Córdoba, apresentou dois dos programas voltados para a contratação de jovens oferecidos pela Câmara de Comércio de Córdoba e que representam oportunidades de especial interesse para enfrentar o desemprego dessa faixa etária. Por um lado, o programa de mobilidade PICE, que proporciona aos jovens até aos 30 anos estadias de 3 ou 6 meses para a realização de estágios em todos os tipos de entidades europeias. Em nível local, há também um programa voltado para a orientação profissional, cujo objetivo é a celebração de um contrato de trabalho entre o jovem e a empresa na qual tenha feito o seu estágio.

A seguir, José Manuel Requena, gestor de projetos europeus e coordenador do projeto FIREPOCTEP na Fundação Finnova, e Héctor Juan Armas, técnico do projeto na Finnova, apresentaram alguns exemplos de projetos LIFE de sucesso. Especificamente, foi discutido o LIFE SINK, projeto que foi aprovado na primeira fase, mas que não pôde continuar na fase sucessiva e que agora se quer voltar à vanguarda, reajustando-o ao território da cooperação transfronteiriça. Duas outras histórias de sucesso foram LIFE Paisagem e LIFE Montado-Adapt, ambas focadas na mitigação das alterações climáticas. Estes exemplos podem inspirar a próxima geração com novas iniciativas que possam servir para dar continuidade ao projeto FIREPOCTEP e à cooperação entre Espanha e Portugal.

Neste bloco central estiveram também presentes representantes da Agência Regional de Energia e Ambiente do Algarve (AREAL) e da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL), entidades beneficiárias do projeto do lado português da fronteira. Hugo Rodrigues, técnico da AREAL, centrou a sua intervenção na promoção da inovação energética a nível regional para conseguir uma redução real da poluição atmosférica e Sofia Martins, gestora de projetos da CIMBAL, mostrou a relação entre a economia circular e todas as ações que esta envolve no combate às alterações climáticas.

A Diputación de Ávila, sócia beneficiária da FIREPOCTEP, foi representada por Alberto López Casillas, que iniciou a sua apresentação mostrando o chamado “triângulo negro”, (composto por condições meteorológicas, ignição e conteúdo energético), principal responsável pela geração de grandes incêndios florestais como o que ocorreu este verão na província de Ávila. Além disso, apresentou dois projetos nos quais a Diputación de Ávila participa, como o projeto SUDOE ForManRisk e o Gefrecon, cujo objetivo é que as condições que favorecem a proliferação dos incêndios florestais não sejam alcançadas. Para finalizar o conteúdo desta formação, contamos com Paco Molina, técnico de engenharia que apresentou casos de boas práticas e inovação para a recuperação energética da biomassa florestal.

O encerramento, pela mão de Beatriz Martínez, técnica de comunicação do projeto FIREPOCTEP da Fundação Finnova, serviu de lançamento para a próxima FIREPOCTEP StartUp Europe Accelerathon (2021).

O Startup Europe Accelerathon visa identificar ideias inovadoras elegíveis para financiamento da União Europeia, como o programa LIFE, Green Deal, Horizon 2020 ou NextGenerationEU. Startup Europe Accelerathon segue as indicações dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas: contribuir para os objetivos ODS propostos. Além disso, faz parte da metodologia Startup Europe Awards, da DG CONNECT da Comissão Europeia, que nasceu a partir da DG Investigação e Desenvolvimento em 2020 com a campanha pan-europeia Hackthevirus. Foi realizado com sucesso com governos como a Comunidade Valenciana, com o desafio das águas poluentes industriais e a Junta de Andaluzia, com o desafio do combate às alterações climáticas, gestão florestal e inovação na prevenção, combate a incêndios e regeneração de espaços queimados.

Tags: